Meu reerguer

Em 24.04.2012   Arquivado em Textos

Gostam de dizer que vou cair de muito alto, que quanto maior o sonho, maior a queda. Tudo isso porque já tenho minha vida toda pronta, planejada nos mínimos detalhes.
Sempre foi divertido para mim – moça à moda antiga como sou – construir toda uma vida, utópica ou não.
Casar cedo, com uns vinte e pouquíssimos anos, uma festa pequena, sem muito luxo só para os amigos mais próximos e uma lua de mel grandiosa, para que eu posso viajar e conhecer o maior número de lugares que conseguir com o lindo me mimando ali do lado.
Criar os dois ou três filhos numa casinha em que eu possa cuidar, manter organizada sem deixar de trabalhar naquilo que me considero boa e feliz. E então, depois de um dia cansativo e estressante quero mais eu e o maridinho vendo filme juntinho no sofá depois de colocar os pequenos para dormir.
Feliz coincidência encontrar você, alguém que almeja os mesmos objetivos que eu. Difícil encontrar um homem assim.
Engraçado isso de encostar no seu peito, segurar sua mão e planejar um futuro juntos, não muito distante. O casamento, a casa, o nome dos filhos e até do cachorrinho – missão impossível já que nunca entramos num acordo -. Imaginamos desde a rotina diária até as férias de fim de ano, os presentes de natal.
Sonho alto, nunca tive medo de altura e hoje, mais do nunca, não sinto medo de cair, porque sei que você estará segurando minha mão e me ajudando a levantar, a me reerguer. Afinal, você é a realidade da qual não quero fugir, porque qualquer realidade ao seu lado é melhor do que qualquer sonho outrora planejado.