Dois

Em 03.09.2012   Arquivado em Textos

Eu queria lhe escrever algo, depositar nessas linhas tudo que sinto, mas não sei ao certo o que lhe dizer. Deve ser esse mix de sentimentos maravilhosos que me confundem a mente e me impede de organizar as palavras.
Bonito isso que faz meu coração bater mais forte ao lhe ver e depois ir tomando um ritmo mais calmo, sincronizando com o seu, tamanha é a paz que você me transmite.  A semana foi conturbada, rotina estressante, TPM perigosa, crises de ciúme, de choro e uma saudade apertando o peito.  As brigas causadas pelo meu ciúme e egoísmo exagerados. Brigas que me fizeram chorar e me deixar impaciente. E me trouxeram a insônia.
Cinco dias de pura agonia, compensados por dois da mais sincera alegria. Dois dias. O necessário para me fazer esquecer os problemas e obrigações. 48 horas quase que completas ao seu lado.
Almoço em família – você sempre tão querido por todos -, o filminho de suspense acompanhado de sorvete e mimo. E depois o jantar, ainda no clima de romance.
A mensagem de bom dia que me faz levantar da cama e olhar para o relógio, ansiosa pela sua chegada. O cineminha para namorar e sorrir um pouco, uma comédia que nem era romântica, mas que me deixou totalmente apaixonada de ouvir sua voz sussurrar um “eu te amo e só quero você, para sempre”.
Dois dias, uma única pessoa, um único sentimento. Foi o suficiente para me fazer esquecer o estresse da rotina corrida, as confusões com o irmão mais novo, os trabalhos atrasados, fulanas lhe beijando o rosto. Dois dias, quase dois anos, dois corações. Seria esse o número da felicidade?