Desabafos de uma mente com lembranças

Em 13.03.2012   Arquivado em Textos
Lembranças que vêm em mente, lágrimas que escorrem pelo rosto. É a saudade que aperta o peito de tal forma que parece esmagar o coraçãozinho que ali bate.
E bem mais que bipolaridade é sentir falta da tal felicidade que todos buscam sem saber exatamente o que estão procurando. Um dia a gente encontra e guarda em algum lugar no fundo da mente e do coração e basta apenas um instante, uma neura para já nos sentirmos insatisfeitos e continuar a busca que parece não ter fim.
E por um determinado tempo eu me senti feliz, a doce ilusão de que tudo ia bem e todos aqueles problemas com pessoas falsas e responsabilidades não mais voltariam. Agora me encontro meio a um mar de lágrimas, lutando para não me afogar sem saber nadar. E isso só pode terminar em desastre, não?
Me falta uma bóia, um pedaço de madeira, qualquer coisa que me faça subir e respirar fundo. Me falta uma mão para segurar a minha e me carregar até a costa da praia.
Por um momento me sinto sozinha, perdida, como uma criança travessa que solta a mão da mãe no meio da multidão. E lá estou eu, disfarçada em meio a desconhecidos, sem saber quais as suas reais intenções, com medo de me aproximar de alguém que possa me fazer mal depois. Você sabe tudo que já passei, fica difícil acreditar em alguém que não seja você.
Eu preciso de alguém que me dê segurança, que me escute falar frases sem sentido por horas, enquanto tento em vão explicar essa minha cabeça confusa. Alguém que não vai debochar dos meus medos e sentimentos.
Daria qualquer coisa para estar chorando em seus braços agora, ao mesmo tempo em que você me beija a cabeça e acaricia meu cabelo.
Está doendo não ter você por perto, me mimando e me enchendo de elogios, fazendo com que eu me sinta a mais linda, sortuda e amada mulher de todo o universo. É verdade, dói essa tal da saudade. Ela é cruel e te bate com toda a força. Só queria ser forte assim para suportá-la.