Resenha: O Projeto Rosie

Em 15.06.2014   Arquivado em indicação do dia, Livros

projeto rosie

“Às vezes não somos nós que encontramos o amor, é ele quem nos encontra.”

Confesso que estava com um pouco de medo de ler O Projeto Rosie. Quando um livro ou filme cai nas graças do povo muito rápido eu fico meio relutante e tento fugir, mas depois de ver pessoas com um gosto parecido com o meu tecendo elogios sinceros sobre o livro eu não resisti e cedi a ele.

O livro conta a história de Don Tillman, professor de genética, 39 anos e que nunca teve uma namorada. Don é portador da Síndrome de Asperger e por isso tem dificuldade de se relacionar com as pessoas; seus únicos amigos são Gene e Cláudia, casados, professor e psicóloga, respectivamente.

A vida de Don é perfeitamente planejada, nos mínimos detalhes. Ele é tão organizado e sistemático que chega a ser chato, tem horário para tudo e um cardápio semanal padronizado; tarefas calculadas a fim de garantir o menor desperdício de tempo. As palavras “imprevisto” e “surpresa” não existem no dicionário do professor. Portanto acreditem quando eu falo que Don é um chato profissional. E todas as vezes em que o xinguei mentalmente e senti vontade de fechar o livro eu lembrei de que tudo era decorrente da “doença”, inclusive a sua extraordinária inteligência. (Sim, alguns “aspies”, assim como alguns autistas, são extremamente inteligentes).

O fato é que, aos 39 anos, Don percebe que está mais do que na hora de arrumar uma companheira para a vida toda, mas como conseguir isso sem nunca ter tido sequer uma única namorada? Decide então dar início ao Projeto Esposa, um questionário que visa selecionar a candidata perfeita para o papel. E, quando Rosie Jarman entra em seu escritório – um exemplar totalmente inadequado ao perfil estabelecido por ele -, o imprevisto passa a fazer parte da rotina de Don, além de muita diversão.

“Eu convidei você para vir aqui esta noite porque, quando percebe que quer passar o resto da sua vida com alguém, quer que o resto da sua vida comece o mais rápido possível”.

O Projeto Rosie pode até ser considerado previsível (não por mim), no entanto, passa longe de ser entediante. Primeiro porque estamos diante de um romance escrito por um homem (e sem todo o açúcar e clichês do Nicholas Sparks) e depois, porque consegue transformar psicologia, genética e outros tipos de assuntos acadêmicos em uma leitura super agradável.

Devo confessar que no início pareceu que a leitura ia se arrastar por muito tempo, mas a história foi tomando um rumo bem interessante e, com a chegada de Rosie, ficou bastante divertida. Apesar de seus defeitos, é uma personagem muito cativante e que consegue contagiar a todos, além de tirar Don da rotina sem graça que leva. Muito obrigada, Rosie! Ela é, sem dúvida, a alma da narrativa.

E o que falar da capa? Simples e linda, do jeito que eu gosto, com detalhes que fazem a diferença. Uma cor neutra e com as letras em alto relevo, como não se apaixonar?

O livro de Graeme Simsion me arrancou boas risadas, me rendeu muito aprendizado na área da psicologia, da genética e do amor e conseguiu me manter ligada até o final, que a propósito foi lindo . Indico para todos, sério, vale a pena.