Resenha: Eleanor & Park

Em 09.10.2014   Arquivado em Livros

eleanor e park

Eleanor & Park estava na minha wishlist faz tempo, então imaginem minha alegria quando a Fran, do Cores do Dia, me presenteou com este livro. Não há palavras para descrever minha felicidade e gratidão, é incrível perceber que tem gente lendo e gostando do Refúgio, de mim. Mais uma vez, muito obrigada, Fran!

Minhas expectativas em relação a esse livro eram enormes e foi muito bom poder chegar ao final dele e não me decepcionar em momento algum, nem com a escrita da autora, nem com a história e nem com os personagens. Fala de amizade, de amor e também de dor, de dificuldades. É puro, sincero. Ao abrirmos o livro já somos avisados: “Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.”

É uma leitura leve, rápida (mesmo com suas 325 páginas). Com capítulos curtos e alternados entre as realidades totalmente diferentes de Eleanor e Park. A história se passa na década de 80 e é contada em terceira pessoa, mas, se você já se apaixonou alguma vez na vida, consegue perfeitamente se identificar com cada citação.

2014-10-07 11.49.28

 Eleanor é nova na escola, o que já seria suficiente para chamar atenção de todos. Mas seus cabelos ruivos e cacheados e seu jeito de se vestir só colaboram ainda mais para isso. Ela tem uma vida difícil, uma relação conturbada com a mãe e o pai e, principalmente com o padrasto. Depois que conhece Park, um descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, sua vida se transforma. Nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. 

É um livro fofo, divertido e emocionante. Cheio de idas e vindas, música, histórias em quadrinhos, declarações de amor, dúvidas, medos e descobertas. O final talvez consiga ser a melhor e a pior parte, tudo ao mesmo tempo. Brinca com a nossa imaginação, a nossa subjetividade, os nossos sentimentos. É realmente uma leitura que encanta a todos.

A DreamWorks comprou os direitos do livro e a própria Rainbow Rowell irá escrever o roteiro do filme. As gravações estão previstas para começar no próximo ano.