Indicação do Dia: Os Bridgertons 3 – Um Perfeito Cavalheiro

Em 28.03.2014   Arquivado em indicação do dia, Livros
umperfeitocavalheiro
Não há palavras suficientes para descrever minha adoração por romances de época, em especial pelas histórias dessa família que a linda da Julia Quinn criou. Terminei de ler o terceiro livro duas e vinte da manhã, caindo de sono e morrendo de ansiedade de vir aqui resenhar para vocês.
O livro é uma deliciosa adaptação do conto da Cinderela e me encantou a partir do momento que li o prólogo no final de O Visconde que me Amava (livro 2). Conta a história de Sophie, filha bastarda de um conde que foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai faleceu. E então, ela conhece Benedict Bridgerton e se apaixonam à primeira vista. Ele sem saber sequer seu nome ou que ela é apenas uma criada; ela aproveita a noite, sabendo que jamais irá se repetir. O destino faz com que se reencontrem apenas três anos depois, quando Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece. No entanto, logo se apaixona por ela de novo, sem saber que Sophie é a mulher misteriosa que tanto procura desde a noite do baile em sua casa.

trecho os bridgertons 3

Devo dizer que discordo da maioria das resenhas que li por aí em que diziam que Benedict não era tão cavalheiro assim. Fiquei encantada por ele do início ao fim, é educado, bem humorado, mas claro, possui o orgulho de todo bom cavalheiro. E às vezes, como aconteceu com Mr. Darcy de Orgulho e Preconceito, o orgulho é confundido com arrogância. As vezes em que o “Sr. Bridgerton número dois” soa rude ou descortês são compreensíveis, ou alguma de nós já presenciou um namorado totalmente calmo e compreensivo durante uma D.R? Benedict é humano, sente raiva e tem desejos como todo mundo.

A cada livro dos Bridgertons que leio fica ainda mais difícil escolher um preferido, acho que todos são maravilhosos a seu modo, já que tratam de personalidades tão diferentes, ainda que da mesma família. O que permanece em todos é o companheirismo e amor existente no núcleo dos  Bridgertons, as opiniões nada discretas de Lady Whistledown,  além do bom humor com que a autora retrata os romances na sociedade londrina. Sem falar também do perfil psicológico dos personagens, traçado de modo discreto, mas fundamental para a compreensão e desenvolvimento da história.

Nesse terceiro livro, fica mais visível o amor de Lady Violet Bridgerton por sua família e a importância que ela dá ao amor verdadeiro. Considerei também, este o mais divertido dos três, vez ou outra me pegava rindo alto das brincadeiras tiradas entre Benedict e Sophie e os irmãos Bridgertons, sempre provocando uns aos outros.

É uma leitura maravilhosa, que vai lhe divertir, lhe arrancar suspiros, algumas palavras feias pelo comportamento de Ben e lhe tirar o sono. Mas garanto que você vai adorar passar por tudo isso.

E que venha o livro do Colin, para que mais um Bridgerton conquiste meu coração e me deixe ainda mais em dúvida sobre qual deles amo mais.