Categoria "Cinema"

Sobre Como Eu Era Antes de Você e uma sociedade que não cansa de ditar regras

Em 11.06.2016   Arquivado em Cinema, Livros, Pessoal

me-before-you

Como Eu Era Antes de Você é um filme que está sendo bastante aguardado recentemente, principalmente pelos fãs fervorosos do livro como eu – e eu nem acredito que finalmente vi Will e Lou ganharem vida na tela! Mas, a criação de Jojo Moyes também virou uma febre, e bastou sair o trailer para milhões de pessoas se juntarem à fila de ansiosos pelo filme. Muita gente foi lá e leu o livro, mas sempre tem aquela parcela que prefere esperar pela adaptação para o cinema. E é exatamente aí que mora o perigo.

Vamos ser sinceros, Como Eu Era Antes de Você não é um romance tradicional e clichê, digamos assim. É uma história com uma temática um tanto polêmica por trás do romance. E muita gente está indo ao cinema esperando um filme do Nicholas Sparks. Daí vem o choque, como veio para todos que leram o livro.

O que quero dizer é que tenho observado algumas críticas lá de fora, as pessoas falando mal e até organizando movimentos contra a trama ou a autora. E tudo bem, qualquer um tem direito de não gostar do livro/filme, mas é preciso ter maturidade suficiente para entender que não é só porque a história vai contra suas expectativas ou princípios que ela é obrigatoriamente ruim e desrespeitosa.

c468ce_4095b15bf70242d0a4f88135915c26da

Como Eu Era Antes de Você não desqualifica a vida de um cadeirante, pelo contrário, mostra as dificuldades de ser um: a falta de acessibilidade, os olhares tortos, os comentários desagradáveis de pena e curiosidade. No livro, Lou entra em contato com outros tetraplégicos, seus familiares e cuidadores, e escuta relatos de dificuldades, mas também de alegrias e conquistas de cada um deles. Todos ao redor de Will querem e acreditam que ele pode ter uma vida normal e feliz mesmo em cima de uma cadeira de rodas.

Como Eu Era Antes de Você defende a escolha de uma pessoa que está sim em perfeitas condições mentais para fazê-la. O próprio Will brinca que seu cérebro ainda não está paralisado e ele tem plena consciência de tudo que está ao seu redor. Quando alguém afirma o contrário é esse alguém que está desqualificando um cadeirante, e não a autora.

E talvez esse tenha sido um erro do filme, deixar a temática polêmica (e extremamente necessária) totalmente em segundo plano, apesar de, ainda assim, ser perfeitamente compreensível a intenção de todos ali.

O filme não é perfeito quando olhado por alguém que tem o livro como um dos seus preferidos da vida, como eu, mas o que me deixou realmente triste foram todos os comentários negativos de quem, na verdade, não entendeu a mensagem. Como Eu Era Antes de Você está sendo incompreendido por muitas pessoas ao redor do mundo e é isso que me angustia. O problema é que as pessoas se acham no direito de determinar o que é certo ou errado para as outras, não há direito a escolha porque, automaticamente, uma se torna errada e todos que participaram dela serão julgados e excluídos para sempre. Usam a religião, os direitos humanos, a ciência, e o que mais estiver ao seu alcance apenas para mascarar uma opinião unicamente pessoal. São pessoas que falam de egoísmo e falta de sensibilidade mas na verdade elas que estão sendo egoístas e insensíveis. Eu não sei o que é melhor para o meu vizinho, porque o que eu vejo não é amplo o suficiente, e o que eu acho realmente não importa – ou ao menos não deveria importar.

Essa (ainda) não é uma resenha sobre o filme, é um desabafo e um simples esclarecimento de que eu amo Will Traynor e vou defender não só a ele, mas a sua escolha, também.

Filme x Livro: A Abadia de Northanger

Em 05.06.2016   Arquivado em Cinema, Livros

WP_20160605_17_39_13_Pro[1]

Escrito em 1797, A Abadia de Northanger é, talvez, um dos livros mais leves e cômicos de Jane Austen. Narra a trajetória de Catherine Morland em sua visita a Bath, onde conhece dois jovens e suas respectivas irmãs, criando laços de amizade e admiração.

Na verdade, o livro é uma espécie de manifesto ao gênero romântico, criticando o fato de romances serem considerados livros inferiores e “de mulherzinha”. A forma como é escrito deixa essas intenções de Jane bem claras, sempre conversando com o leitor e fazendo alusões a “Os Mistérios de Udolpho“, romance gótico de Ann Radcliffe, que a protagonista lê durante toda a trama.

“A pessoa, seja um cavalheiro ou uma dama, que não tem prazer com um bom romance deve ser intoleravelmente estúpida.”

Confesso que a leitura demorou um pouco para fluir, pois, independente da quantidade de páginas, sempre considero os livros de Jane Austen extensos, por causa da linguagem rebuscada e dos parágrafos grandes demais. Mas do meio para o fim tornou-se uma leitura muito leve e deliciosa, principalmente a partir do momento que Catherine visita a Abadia.

As personagens são, como sempre, um retrato bem fiel – e talvez um pouco generalizado, me atrevo a dizer – da época e não me surpreende que no início eu tenha ficado um pouco em dúvida sobre para qual dos dois pretendentes de Catherine torcer, afinal, Jane Austen sabe bem como criar homens cativantes. Com Henry Tillney não poderia ser diferente, que rapaz encantador! Não demorou muito para meu coração pender (forte) para um lado. Catherine é uma jovem curiosa e simpática, extremamente afeiçoada às pessoas e fiel a seus amigos. Em resumo, é um amor de menina.

Quanto ao filme, assisti a versão de 2007, com a linda Felicity Jones (e não sei se há outras por aí, mas não me surpreenderia se encontrasse) e confesso que, de todas as adaptações para cinema e tv das obras de Austen que já vi – e olhas que não foram poucas – essa foi a que menos gostei até agora. Na minha opinião poderia ter sido mais fiel à estória original, apesar de algumas falas serem idênticas ao livro. No entanto, alguns detalhes que foram mudados me pareceram fazer uma diferença pequena, mas significativa. Além de terem apressado muito o desenvolvimento da trama.

Outro fator que me incomodou na adaptação foi o exagero cômico. Entende-se perfeitamente que o livro é uma espécie de sátira aos romances góticos e apresenta uma escrita mais leve e divertida, mas, para mim, o humor no filme ficou um tanto exagerado. Algumas cenas jamais foram escritas por Jane Auste e ouso dizer que jamais seriam e só serviram como um apelo para agradar aos mais variados públicos no filme.

Captura de tela 2016-05-29 00.34.30

Ainda assim, entendo que algumas mudanças e acréscimos só tornaram o sr. Tillney ainda mais encantador e disso ninguém está reclamando, que fique bem claro. A boa e velha licença poética que a gente sabe que existe no cinema. Vale ressaltar que gostei do elenco.

O filme pode ser assistido online e legendado aqui. Quanto ao livro, o meu exemplar é da Landmark, uma edição bilíngue e com uma tradução que não deixa brechas para reclamações.

Cinema | Independentes e cativantes

Em 28.05.2016   Arquivado em Cinema

WP_20160528_18_41_14_Pro[1]

Eu tenho uma preferência bem clara por esses filmes mais independentes, que tem um elenco mais reduzido, locações incríveis e diálogos idem. Quase sempre a fotografia e a trilha sonora vêm de brinde, então eu não tenho muito do que reclamar, porque são igualmente incríveis. E são tantos filmes maravilhosos nessa vibe mais simples e intimista que eu decidi fazer uma listinha com os que andei assistindo recentemente e mais gostei.

Smashed (De Volta à Realidade – 2012)
Drama

Kate e Charlie formam um jovem casal cuja união se deu por todos os gostos em comum, principalmente pela bebida. Mas quando o consumo de álcool começa a levar Kate a lugares perigosos e põe em perigo seu trabalho como professora, ela decide procurar os Alcoólatras Anônimos e se manter sóbria. No entanto, essa não é uma missão tão fácil como Kate imaginara. Seu novo estilo de vida revela um relacionamento complicado com sua mãe, fazendo-a enfrentar as mentiras que contou a sua chefa e põe em dúvida a razão de seu casamento com Charlie.

Que filme mais intenso! O casal tem uma química tão boa, e eu adorei a construção das personagens, eles dois são incríveis juntos e individualmente. A temática é interessante e o filme é perfeitamente real, não foi a toa que me deixou completamente destruída. Mas não de uma forma ruim. Eu já disse aqui algumas vezes que amo esses filmes que me bagunçam inteira. Smashed está disponível na Netflix.

Imagem de Amostra do You Tube

Forget Me Not – 2010
Romance

Ocorrendo ao longo de 24 horas, a história gira em torno de Will Fletcher, um músico apaixonado, e Eve Fisher, uma bela mulher de espírito livre que trabalha no bar onde ele toca. Enquanto luta para lidar com um segredo trágico, Will salva Eve de um cliente embriagado na hora de fechar e seus caminhos se tornam inextricavelmente ligados. Intrigados um com o outro, eles andam por Londres, não sabendo o que a noite ou o o dia pode trazer.

O cenário é Londres, então claro que isso, por si só, já me pegou de jeito. O filme segue aquele combo passeio pela cidade + bons diálogos + trilha sonora maravilhosa e pra mim essa é a receita do sucesso. Will e Eve são lindos juntos e é incrível a forma como eles se conhecem e se conectam em apenas 24 horas. Tem uma cena em especial que me deixou completamente apaixonada, mas tudo que vou dizer é que envolve música e a London Eye.

Imagem de Amostra do You Tube

Lullaby For Pi – 2010
Drama, Romance

Uma moça de nome estranho encontra refúgio no banheiro do quarto de hotel de um músico e os dois começam a se relacionar sem nunca terem se visto, separados por uma porta.

A sinopse não promete muita coisa e o filme tem um desenvolvimento um tanto quanto lento, mas foram os detalhes que me prenderam. A trilha sonora é um fator importantíssimo e talvez seja a melhor parte do filme, mas a química entre os personagens é convincente e cativante, dá vontade de guardar num potinho e proteger pra sempre. É um filme simples e lindo, do jeito que eu gosto.

Na ausência do trailer, vai uma cena maravilhosa:

Imagem de Amostra do You Tube

Página 4 de 231 ...12345678... 23Próximo